segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Mais Andy / Story Time - O Pior Voo da Minha Vida!

Como alguns de vocês devem saber, há quatro dias atrás, quatro centenas de portugueses ficaram retidos no aeroporto de Punta Cana e eu fui um dos afectados. Infelizmente, o avião que me ia levar de volta a Lisboa teve uma avaria e hoje vou dar-vos a minha visão dos acontecimentos, um ponto de vista de alguém calmo que viu imensa gente a chegar quase ao limite! Se não sabem do que estou a falar, então, recomendo-vos a ler o artigo que saiu no Jornal de Notícias. Sim, fomos capa do jornal!
Ora bem, vamos começar pelo início. Eu tinha o voo marcado para as 23h45 de Punta Cana, pelo que cheguei ao aeroporto por volta das 21h15. O aeroporto é bastante pequeno e todo o trajecto entre o despachar das malas e o embarque correu dentro do normal e foi feito às horas previstas, sendo que os problemas começaram dentro do avião. Eu não sei se têm por hábito viajar, mas, em algumas companhias, é passado um filme com as regras do avião e o que fazer em situações de emergência. Bem, digamos que o filme não chegou ao fim. As televisões foram abaixo e pouco tempo depois o comandante informou que havia um problema com a válvula do combustível e que iriam chamar um técnico para averiguar a gravidade do mesmo. O tempo foi passando, os técnicos chegaram, analisaram a situação e o comandante anunciou que se iria proceder ao desembarque, uma vez que o problema era mais grave do que pensavam. Eram aqui cerca de 01h15 da manhã (em Portugal, 06h15). Fomos, então, reencaminhados para a zona dos embarques, onde ficámos horas a fio sem nenhuma explicação. Não apareceu nenhum representante do operador (Jolidey) nem ninguém da tripulação para falar connosco. As únicas pessoas que nos tentaram ajudar eram funcionários do aeroporto que nada tinham a ver com o caso, mas que ficaram a fazer horas extra por nossa causa. E aqui, meus amigos, eu senti vergonha de estar envolvida nesta odisseia. Alguns passageiros começaram a insultar um dos funcionários, gritando e chamando os piores nomes que podem imaginar, tanto que o deixaram a chorar. Digam-me, que raio de atitude foi esta? Atacarem as únicas pessoas que nos tentaram ajudar, pessoas essas que nada tinham a ver com o voo. Este rapaz fez um turno de 24h por nossa causa!

Às 3h da manhã, foram-nos oferecidas garrafas de água e, posteriormente, dado a escolher entre um croissant e uma sandes e também que refrigerante queríamos beber. É de salientar que todas as lojas estavam fechadas e, por isso, não havia nenhum sítio onde pudéssemos comer ou até mesmo passar tempo. Entretanto, e ainda sem notícias do avião, começou-se a falar da possibilidade de irmos para um hotel até termos informações acerca do voo. Nesse momento, inúmeras pessoas revoltaram-se a dizer que queriam ir para Portugal, pois tinham coisas importantes a fazer. Eu admito, a situação do hotel também era um pouco ingrata. Supostamente, às 10h íamos saber se tínhamos voo ou não e, se a resposta fosse positiva, a descolagem ia ser feita, em princípio, 4h depois. Ainda assim, e analisando toda a situação, tinha sido a decisão mais sensata a tomar. Pouco tempo depois, foi-nos dito que o avião já estava arranjado e que nos faltava uma tripulação, tripulação essa que iria ser substituída às 05h50 e aí, sim, podíamos dar início ao nosso voo de regresso.

Chegou, então, a altura do segundo embarque e qual não foi o nosso espanto quando nos apercebemos que a tripulação era a mesma. Os ânimos exaltaram-se de tal forma que o comandante ameaçou que ia chamar a polícia. Às 06h45, o comandante anunciou que ele e o resto da tripulação não tinham autorização para voar, pois já tinham excedido o número de horas de trabalho e que a ANAC não permitia que eles fizessem horas extra. Foi-nos então proposto ficar no avião à espera de uma tripulação espanhola que tinha chegado nesse dia a Punta Cana e ainda estava no seu período obrigatório de descanso ou ir outra vez para a zona dos embarques fazer tempo enquanto essa tripulação não chegava. Nós optámos por ficar no avião juntamente com a tripulação portuguesa que nos serviu água e o pequeno-almoço e ficou connosco até à chegada da nova tripulação. Por volta das 10h da manhã, chegou então a nova tripulação e o avião levantou voo cerca de trinta minutos depois. E se pensam que ficamos por aqui, estão muito enganados! Já a mais de meio do voo, foi-nos então dada uma má notícia juntamente com toda a explicação do sucedido: basicamente, o avião teve um problema num motor, problema esse que foi remendado e, por isso, era mais seguro voar próximo da costa americana e canadiana em vez de cruzar o Atlântico, fazendo com que um trajecto de 7h passasse a 10h30. O avião não estava preparado a nível de comida para tantas horas de voo, mas, ainda assim, foi-nos servida uma refeição principal, uma sandes e líquidos sempre que solicitados. Às 20h30 de Punta Cana (01h30 de Portugal), aterrei então em Lisboa e, pronto, correu tudo bem! O voo foi super tranquilo, ainda que demorado, e tanto os funcionários do aeroporto como as duas tripulações foram simpáticas e prestáveis. 

Durante estas horas vi muita gente a chegar ao limite, pessoas que tiveram quebras de tensão, ataques de pânico e faltas de ar, ambulâncias e médicos a serem chamados e nem toda a gente embarcou. Houve quem preferisse ficar em terra. Infelizmente, assisti a inúmeras faltas de respeito por parte dos passageiros não só para com os funcionários, mas também para com as outras pessoas. Acreditam que o senhor que estava atrás de mim achava super normal a criancinha dele andar aos pontapés às cadeiras da frente?! Incrível, e depois ainda teve a lata de dizer que já estava ali há imenso tempo. Pois, e nós também! Enfim...

E vocês, já passaram por alguma situação do género?

6 comentários:

  1. O portugÊs é o pior passageiro que se pode ter! (salvaguardando as devidas excecoes)

    Veja-se agora mais recentemente as/os indignados com as refeições que são servidas durante a viagem! Ora, com se uma refeição a bordo de um avião fosse alguma coisa do outro mundo, nunca o foi! E, muitas vezes em viagens dentro da Europa que não passam de 4h e só pensam no comer!
    Uma vergonha, o português queixa-se de tudo, reclama de tudo, é mal educado e o pior acha-se sempre com razão.
    A parte dos pais que em vez de filhos têm é crias, estou totalmente de acordo, não sabem educar, chateia os outros e deixa a mão dormir que está cansada.... Mas isso faz sentido?
    Já dizia o outro, quem nunca tem e chega a ter nem o diabo o pode sofrer! Assim é o turista português, infelizmente, pois também sou português e sou incluído neste rol.

    Desculpe o desabafo,

    Cumprimentos e obrigada pelo seu testemunho.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, Andy! Por acaso, em 2015 aconteceu-me algo de similar em Punta Cana no regresso. Voo Orbest, tripulação Portuguesa, tudo a postos para arrancarmos, quando se dá uma falha geral (?) no avião. Os motores não arrancavam, devido à falta de energia da plataforma em que nos encontrávamos. Pelo que nos foi explicado, a plataforma em que o avião se encontra é que dá energia ao avião enquanto em terra, para os motores arrancarem, e que permite também ter o A/C ligado, o que dá um certo jeito, se estivermos num país com 30º e com uma humidade acima dos 90%. Essa falha implicou que houvesse um atraso de 2H +/-, até resolverem o problema, com a chegada de um veículo com uma fonte externa de energia, para os motores arrancarem...

    A tripulação foi excelente, ao final de algum tempo abriram as portas do avião, para entrar um pouco de oxigénio. Serviram garrafas de água a toda a gente, e não houve problemas de maior, tirando o atraso de 2h, que não afectou (em princípio) ninguém, visto ser um voo nocturno. Em relação aos passageiros, nenhum problema de maior, mas também, a situação acabou por ser resolvida em tempo útil, e tirando um burro de um espanhol que estava no banco atrás de mim, os Portugueses foram bastante ordeiros... sortes!!!

    Boas Viagens!!

    ResponderEliminar
  3. Felizmente nunca nada assim!

    Novo post no blog : Acabar com o desperdício!
    (http://solnaaguafria.blogspot.pt/2017/08/acabar-com-o-desperdicio_26.html)

    ResponderEliminar
  4. Felizmente nunca vivi nada assim.
    Num dos voos que fiz tive um atraso de 2 horitas e nunca chegámos a saber o porquê.
    Claro que se está ansioso para chegar a casa, mas há que haver bom senso e acima de tudo educação. Mas isso faz parte da pessoa. Há alguns que não têm a noção do mínimo de educação.
    O importante foi terem chegado em segurança.

    ResponderEliminar
  5. Fonix! Deve ter sido stressante! Ainda só tive uma experiência de avião e felizmente correu bem, mas imagino o cansaço :S
    O que importa é que correu bem e acho que iria apoiar a decisão de um voo mais longo para que, se necessário, pudesse ser feita uma aterragem de emergência de forma segura.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  6. Anónimo: É verdade! :/ Já para não falar que o típico português quer pagar pouco e ser tratado como um rei. Enfim...

    Zé Nuno: Infelizmente, casos como os nossos são muito mais frequentes do que pensava. Ainda bem que correu tudo bem com o seu voo! :) É o que eu digo: o mais importante é chegarmos sãos e salvos aos destinos.

    Marta Martins: Obrigada por comentares! <3

    Marrocoseodestino: Sim, sem dúvida! :D Obrigada por partilhares o teu testemunho.

    Joana R.: Eu também apoiava essa decisão, o problema é que não nos foi dado qualquer tipo de escolha ou aviso prévio, mas, sim, felizmente, correu tudo bem! :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Hey, muito obrigada por perderes um pouco do teu tempo a comentar o Be Fashion! :) Quero muito saber a tua opinião e prometo responder ao teu comentário neste mesmo post. *

Andy ♥ FacebookInstagramYouTube